terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

MONITORAMENTO NA ASSISTÊNCIA SOCIAL: ESCOLHA PELOS RESULTADOS

Íntegra do Guia Teórico para Implementação do Processo de Monitoramento na SEDS.


Monitorar procedimentos desnecessários

 
Disseminar boas práticas, provocar mudanças e medir o desempenho do objeto monitorado são os possíveis resultados do processo de monitoramento. Nem todos indicadores permitem alcançar estes objetivos. Os indicadores “Número de municípios capacitados” e “número de cursos” significam quase nada para medir o desempenho do objeto curso, quanto menos deduzir a existência de boas práticas ou a necessidade de mudanças. Um curso com 5000 participantes, presencial, 180 horas aula tem o mesmo peso que um curso de 10 participantes, a distância e 8 horas aula se o indicador utilizado for “número de cursos”.
As decisões que provocam mudanças ou disseminam boas práticas podem ser classificadas de acordo com o objeto monitorado: produto, processo, insumo. Possíveis decisões relativas aos produtos:
 - Criar ou extinguir produto;
- Aumentar ou diminuir o volume da oferta do produto ou serviço;
- Aumentar ou diminuir o valor investido no produto ou serviço;
- Alterar atributos da qualidade do produto ou serviço e/ou disseminar de um para outro. Os atributos de qualidade foram discutidos no capítulo anterior;
- Alterar a cobertura territorial ou de segmento de usuários do produto ou serviço. O Piso Paranaense de Assistência Social começou com 86 municípios e com o tempo outros municípios serão contemplados. O monitoramento de cursos introdutórios pode indicar a necessidade de alterar o público alvo (segmento de usuários), restringindo o acesso apenas a servidores que estão iniciando sua atuação profissional na referida política;
- Alterar o local onde é realizado o serviço ou disponibilizado o produto.


Possíveis decisões relativas aos processos de trabalho:
 - Criar ou extinguir atividades e/ou etapas do processo de trabalho;
- Alterar a sequência que é realizada as atividades e/ou etapas do processo de trabalho;
- Estabelecer, eliminar ou alterar os prazos relacionados as atividades;
- Estabelecer, eliminar ou alterar as características dos documentos (produtos meio) produzidos nas atividades e/ou etapas do processo de trabalho. Exemplos de documentos: mapa de menor preço, termo de referência, ata e relatório de reunião, planilhas, pareceres, termo de objetivos atingidos, termo de instalação e funcionamento, laudo de vistoria.

Possíveis decisões relativas aos insumos (recursos e produtos de entrada) necessários a realização dos processos de trabalho:
 - Admitir, demitir ou realocar servidores entre as unidades e processos de trabalho;
- Contratar e rescindir contrato com fornecedores pessoa jurídica ou física;
- Escolher produtos e serviços, bem como seus atributos de qualidade, a serem utilizados nos processos de trabalho e/ou para comporem um produto ou serviço fim, a exemplo serviço de alimentação, hospedagem e transporte contratados para comporem as características do serviço “curso”.

A escolha de um objeto e seus respectivos indicadores deve ser ponderada pela capacidade destes em subsidiar as decisões elencadas acima.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL, Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Manual de avaliação : Plano Plurianual 2004 – 2007 : Exercício 2007 – Ano Base 2006. Brasília, 2006. p. 7. Disponível em: <http://www.planejamento.gov.br/arquivos_down/spi/Manual_Avaliacao_base2006.pdf>. Acesso em: 27 mai. 2007.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de
Orçamento Federal. Secretaria de Planejamento e Investimentos
Estratégicos. Indicadores - Orientações Básicas Aplicadas à Gestão Pública. Brasília, 2012, 64 p.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Subsídio para o 2º Encontro. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa - SGEP, Departamento de Monitoramento e Avaliação da Gestão do SUS. Brasília: Cadernos DEMAGS; 2009.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome. NOB SUAS 2012. Brasília, 2012.

CASAS, A. L. L., Marketing, Conceitos exercícios casos. 7. Ed. São Paulo: Atlas, 2006, 324p.

CASAS, A. L. L., Marketing de serviços. 5. Ed. São Paulo: Atlas, 2007, 257p.

CHIAVENATO, I. Recursos Humanos. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

CHIAVENATO, I. Introdução à Teoria Geral da Administração: uma visão abrangente da moderna administração das organizações. 7 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

CLEGG, S; CARTER, C; KOMBERGER, M. A “Máquina Estratégica”: fundamentos epistemológicos e desenvolvimentos em curso. RAE – Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 44, n. 4, out-dez de 2004. P. 21-31. Disponível em: http://rae.fgv.br/rae/vol44-num4-2004/maquina-estrategica-fundamentos-epistemologicos-desenvolvimentos-em-curso. Acessado em: 18/01/2015.

FAVARETTO, Fábio. Melhoria da qualidade da informação no controle da produção: estudo exploratório utilizando Data Warehouse. Prod.,  São Paulo ,  v. 17, n. 2, p. 343-353, ago.  2007 .  Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-65132007000200010&lng=pt&nrm=iso>. Acessado em:  05  fev.  2016. 

GARCIA, Ronaldo. Subsídios para Organizar Avaliações da Ação Governamental. IPEA. Texto para Discussão nº 776. Brasília, janeiro de 2001.
Citado por: Santos, Adriana Rodrigues dos. Monitoramento e avaliação de programas no setor público [manuscrito] : a experiência do PPA do Governo Federal no período 2000-2011 / Adriana Rodrigues dos Santos. -- 2012.
Disponível em: http://portal2.tcu.gov.br/portal/pls/portal/docs/2541117.PDF. Acessado em: 03/09/2015.

NOGUEIRA, Vera Maria Ribeiro. Avaliação e Monitoramento de Políticas Públicas e Programas Sociais – revendo conceitos básicos. Katálysis v 5 n.2jul/dez.2002.Florianopilis.SC 141-152.

TALAVERA, CLEMENTE PLEGUEZUELOS. Calidad Total en la Administración Pública. 1a edicion. Granada: CEMCI publicaciones, 1999. Citado por: IZAGUIRRE, GUSTAVO AGUILERA. Modelos de Evaluación de la Calidad de las Organizaciones Dependientes de la Administración Pública en Mexico y en España. Tesis Doctoral. Universidad de Salamanca. Salamanca, 2010.

TINOCO, MARIA AUXILIADORA CANNAROZZO; PEREIRA, SAMUEL CALVANO; RIBEIRO, JOSÉ LUIZ DUARTE. Modelo de Satisfação e Atributos da Qualidade para Serviços de Farmácia de Manipulação. IV Encontro de Marketing da ANPAD. Florianópolis, 23 a 25 de maio de 2010. Disponível em: http://www.anpad.org.br/diversos/trabalhos/EMA/ema_2010/2010_EMA298.pdf. Acessado em: 03/02/2016.